Você está aqui: Página Inicial > Campus > Recife > Notícias > Primeira pesquisadora do IFPE a receber uma bolsa de produtividade pelo CNPq atua no Campus Recife

Notícias

Primeira pesquisadora do IFPE a receber uma bolsa de produtividade pelo CNPq atua no Campus Recife

Ioná Rameh se torna a primeira mulher do Instituto a ser contemplada
por publicado: 26/02/2021 21h32 última modificação: 26/02/2021 23h01

A professora Ioná Rameh tornou-se a primeira mulher do IFPE a conquistar uma bolsa de produtividade de extensão concedida pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) – órgão que fomenta pesquisas de relevância em todo o território brasileiro. A docente foi contemplada a partir da submissão, em julho de 2020, do projeto “Inteligência geográfica para melhorar a acessibilidade de pessoas com deficiência”. O objetivo do trabalho é auxiliar gestores do transporte público a estabelecerem melhorias nos serviços prestados às pessoas com deficiência na Região Metropolitana do Recife. Ao longo de três anos, Ioná poderá aperfeiçoar a ferramenta com o suporte prestado pelo CNPq.

A ideia do projeto surgiu ainda em 2019, quando foi desenvolvida uma ferramenta semelhante à submetida ao CNPq. Na ocasião, o trabalho rendeu três bolsas de pesquisador visitante na Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (FACEPE). Desde então, com o auxílio das professoras do Campus Recife Aida Ferreira e Vânia Soares, e também com a participação dos estudantes que compõem grupo de pesquisa da Instituição, Ioná implementou melhorias no projeto e desenvolveu a ideia que futuramente viria a ser selecionada pelo CNPq. “Essa conquista da bolsa não é só minha. É do Instituto como um todo, pois sempre tive o apoio da DPP, DIEX e de todos os departamentos do Campus, assim como da Direção Geral”, ressalta Ioná.

Apesar do otimismo, a pesquisadora não esconde a surpresa representada pela conquista da bolsa de produtividade de extensão por se tratar de uma seleção bastante concorrida. A docente recebeu a confirmação da aprovação por e-mail no dia 19 de fevereiro e, desde então, comemora bastante o feito. “Fiquei realmente surpresa. Inclusive, pensava que o resultado já tinha sido divulgado. Mas ao visualizar a confirmação, me senti muito honrada, pois sei da dificuldade que é, tendo muitos pesquisadores o mesmo desejo que eu”, compartilha.

Outros dois pesquisadores do IFPE já haviam conquistado bolsas ofertadas pelo CNPq. O primeiro a ser contemplado foi o docente Luís Gomes, do Campus Afogados da Ingazeira, com bolsa de produtividade de extensão. A segunda aprovação foi alcançada pelo professor do Campus Recife Álvaro Ochoa, que, em 2020, foi selecionado com uma bolsa de produtividade em pesquisa. A obtenção de Ioná é na modalidade de desenvolvimento tecnológico e extensão inovadora. Com sua conquista, a professora pretende inspirar e incentivar outras pesquisadoras a ocuparem lugar de destaque no cenário da pesquisa nacional e, até mesmo, internacional. “Todos os âmbitos da educação e áreas devem ser integrados por todos os gêneros; não pode ser diferente com as de STEM (sigla em inglês para Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática). O estímulo a essa composição diversa é que nos faz crescer. Temos que estimular o equilíbrio, pois só temos a ganhar”, afirma Ioná.

Egressa da Escola Técnica Federal de Pernambuco (ETFPE), Ioná é formada em Engenharia Civil pela UPE, com especialização em Cartografia aplicada ao Geoprocessamento pela UFPE. A profissional, que concluiu mestrado e doutorado em Recursos Hídricos, atualmente leciona no Campus Recife, onde coordena a Pós-Graduação em Sustentabilidade Urbana.

Conforme Sofia Brandão, diretora de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) do Campus, a conquista é um marco para a Instituição e representa toda a dedicação da pesquisadora. “Ioná é destaque também na atuação das mulheres nas áreas de STEM. Juntamente com a professora Vânia, estimula e coordena ações de Pesquisa e Extensão envolvendo meninas estudantes. A bolsa conquistada reflete a natureza de sua atuação e fortalece essas áreas no Campus Recife”, enfatiza Sofia.