Você está aqui: Página Inicial > Imprensa > Banco de pautas > Óleo de cozinha pode ser transformado em sabão caseiro

Notícias

Óleo de cozinha pode ser transformado em sabão caseiro

Projeto desenvolvido no Cabo de Santo Agostinho ajuda a criar uma nova fonte de renda para agricultores
por publicado: 20/04/2016 16h52 última modificação: 20/04/2016 16h52
Exibir carrossel de imagens Projeto é desenvolvido junto a população do distrito de Mercês

Projeto é desenvolvido junto a população do distrito de Mercês

Ajudar agricultores a conseguirem uma renda extra e desenvolver atividades de conscientização sobre a coleta de resíduos de óleo doméstico, mais conhecido como óleo de cozinha. Estes são os pontos de partida do projeto extensionista de dois estudantes do segundo período do curso Técnico em Logística, do Campus Cabo de Santo Agostinho do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE).

Sob a orientação do coordenador do curso de Logística, José Mario Freire; e da professora Roseana Pereira, os discentes Leonardo dos Anjos, 26 anos, e Gleice Carla França, 25 anos, deram início ao projeto de Extensão Gestão da cadeia produtiva na fabricação de sabão caseiro: fonte de renda para a associação dos agricultores e produtores do distrito de Mercês. O trabalho é desenvolvido em parceria com a Secretaria do Meio Ambiente do município do Cabo, Associação dos Agricultores e Produtores do distrito de Mercês e Circuito Jovem Recife do Centro Marista (CRC), o qual fez a doação de um computador à associação.

A comunidade onde o projeto será desenvolvido no decorrer deste ano, localizada no Cabo de Santo Agostinho, começou a receber a visita dos alunos do IFPE desde o mês de fevereiro. Até dezembro, os estudantes pretendem realizar açôes de conscientização com os moradores do distrito de Mercês sobre o descarte adequado do óleo de cozinha e realizar uma oficina, que será ministrada pela professora Roseana Pereira, com o objetivo de capacitar os agricultores da área a produzir o sabão caseiro.

"É uma experiência boa participar do projeto de extensão. Em primeiro lugar porque está sendo realizado na comunidade em que vivo. É bom levar algo novo para lá. Outro ponto positivo em fazer parte da Extensão é viver a experiência prática da área de Logística", explicou o estudante Leonardo dos Anjos, bolsista do projeto.

No Instituto, a Extensão tem como principal função promover projetos que sejam desenvolvidos para a sociedade, através de atividades educativas, culturais e científicas. De acordo com a coordenadora de Divisão de Pesquisa e Extensão (DPEX) do Campus Cabo, professora Rita Castellan, os projetos que estão sendo desenvolvidos no município do Cabo de Santo Agostinho, são importantes porque beneficiam a todos os envolvidos na atividade. "Os estudantes vivenciam na prática o que eles viram na teoria, em sala de aula. E os alunos desempenham competências que eles vão realizar quando estiverem no mercado de trabalho. Com o projeto de Extensão ganha o IFPE, os alunos e a comunidade", avaliou.

No Campus Cabo estão sendo desenvolvidos, atualmente, seis projetos de Extensão, sendo dois na área de Logística e quatro na área de Meio Ambiente. Estão envolvidos nestes projetos sete alunos bolsistas, um voluntário, além de professores e técnicos.