Você está aqui: Página Inicial > Todas as notícias > IFPE debate protagonismo feminino com ativistas

Notícias

IFPE debate protagonismo feminino com ativistas

Mesa contou com participação de representantes da Rede de Mulheres Negras de Pernambuco, Flores de Ximenes e Rede Mete a Colher
por Ascom publicado: 23/03/2018 10h34 última modificação: 23/03/2018 15h40

Dando continuidade à programação do Mês das Mulheres, o IFPE promoveu, nesta quinta-feira (22), no auditório do Campus Recife, a mesa redonda com o tema "Lugar de mulher é onde ela quiser". Com a participação de Piedade Marques, da Rede de Mulheres Negras de Pernambuco; Elizângela Marinho, do grupo de agricultoras Flores de Ximenes; e Renata Albertim, da Rede Mete a Colher, o debate trouxe à tona diferentes formas de violências contra as mulheres.

Já na fala de abertura, a mediadora e jornalista do IFPE, Carol Falcão, fez menção ao assassinato da vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco, ocorrido no dia 14 de março, e destacou a importância do processo de escuta e discussão do tema no âmbito educacional.

Mesa Lugar de Mulher é onde ela quiserNa sequência, a jornalista e cofundadora da Rede Mete a Colher, Renata Albertim, falou um pouco sobre o surgimento e a proposta do aplicativo que, há dois anos, vem conectando e aproximando mulheres, vítimas de relações abusivas. Ela destacou como é difícil se perceber nesta situação e ter coragem de sair dela. “Uma mulher nunca sai só de uma situação de violência. Um dos motivos que faz com que ela permaneça num relacionamento abusivo é o isolamento. Muitas vezes, ela é afastada dos amigos, das amigas, da família. Por isso, é muito importante escutar, não julgar, criar uma relação de confiança e um autocuidado”, afirmou.

Mesa Lugar de Mulher é onde ela quiserJá a agricultora do grupo Flores de Ximenes, Elizângela Marinho, compartilhou com o público sua trajetória pessoal, de retomar os estudos depois de mais de 20 anos de casada, e de ser mãe e avó. Moradora de um assentamento em Barreiros, na Mata Sul, ela também falou sobre a experiência do grupo agroecológico Flores de Ximenes, na luta por uma alimentação saudável, livre de agrotóxicos, e do contexto machista e violento da área rural. “Para mim, ser feminista é correr atrás dos direitos da gente. Eu dou um duro danado para que minhas filhas possam estudar. Eu crio elas para que elas sejam donas de si e não escravas de homem”, afirmou emocionada.

Mesa Lugar de Mulher é onde ela quiserFechando a mesa, Piedade Marques, da Rede de Mulheres Negras de Pernambuco, destacou a discussão do racismo como elemento fundante das relações no Brasil. “A violência vem na concretude do racismo. Os maiores índices de morte são de jovens negros periféricos, que são nossos filhos, nossos sobrinhos. São dores que nós, mulheres negras, trazemos na construção diária. Não dá para desvincular o machismo, o patriarcado e o capitalismo disso”, declarou. Nesse sentido, Piedade reforçou que é na ancestralidade africana, na identidade e na memória que as mulheres negras encontram uma referência positiva. “A Rede é um espaço de construção coletiva, de troca, onde eu sei que vou ser acalantada e cuidada. Só na irmandade, a gente consegue vencer o racismo”, concluiu.

O debate ainda contou com a participação e perguntas do público e está disponível no Canal IFPE.

PROGRAMAÇÃO - No próximo dia 28, o destaque será “Sororidade e as mulheres nas artes”. Das 14h às 16h, no miniauditório do Campus Recife, será promovida uma sessão de curtas e debate com as cineastas Bruna Leite, Yane Mendes, Samara Maria e Tábata de Morais do Mulheres do Audiovisual de Pernambuco (MAPE).   A mediação será da jornalista do IFPE, Rafaela Vasconcellos. 

No mesmo dia, das 15h às 16h, a psicóloga do IFPE Taciana Haliday conduzirá uma roda de conversa sobre a temática da Sororidade no Jardim do Campus Recife. E, das 16h às 19h, haverá, no hall do Campus Recife, uma programação cultural, que contará com a participação das poetisas Amanda Timóteo, Bione, Mariana Ramos, Isabela Puente e Patrícia Naia do Slam das Minas PE, recital de cordel e apresentação musical. Também haverá uma exposição de Artes Visuais com obras só de mulheres estudantes do IFPE. Todos os eventos são gratuitos e abertos ao público.